skip to Main Content
A Desigualdade Social Pandêmica, Por Paulo Zottolo

A desigualdade social pandêmica, por Paulo Zottolo

A pandemia do novo coronavírus colocou em relevo o fato de que o Brasil é um dos países com maior desigualdade social do planeta. Essa é uma questão que deve preocupar não apenas os políticos, mas a sociedade como um todo e as empresas em particular.

Até antes da implementação da política de isolamento social, a maioria das empresas costuma ver no cidadão apenas o consumidor. Ele sempre foi a fonte dos lucros das corporações.
A pandemia despertou um sentimento genuíno e novo de solidariedade, o que pode ser constatado em ações sociais que envolvem doações individuais de dezenas de milhões de reais. De repente, gestores perceberam que têm enorme responsabilidade na reconstrução de uma sociedade abalada por uma crise sem precedentes.

Tais iniciativas estão criando não só um novo modelo de gestão mas também uma nova maneira de ver e entender a sociedade.  Elas engendram um novo gestor – o administrador que, sem deixar de lado os interesses legítimos dos acionistas, se preocupa com o bem-estar geral e assume papel relevante ao amparar as populações mais vulneráveis.

Antes da pandemia era comum lermos em avisos emoldurados nas recepções uma lista de boas intenções encabeçada por um genérico “Nossa missão”. Eram palavras bonitas, declarações politicamente corretas, mas com frequência não espelhavam o verdadeiro sentimento de gestores e proprietários.

Pois essa placa, com retórica tão edificante quanto vaga, tende a sair da parede e dar lugar a ações concretas. Pelo menos é isso o que se espera das empresas mais sérias, comprometidas com seus funcionários, fornecedores e, claro, consumidores. Espera-se que elas olhem também para os não consumidores e ajudem a diminuir substancialmente as diferenças sociais com as quais convivemos hoje.

A pandemia escancarou de vez essas nossas diferenças. Por quanto tempo mais vamos tolerar o fato de que pessoas vivam amontoadas em favelas, sem as mínimas condições de higiene? Por quanto tempo mais estaremos divididos entre “nós” e “eles”?

O Brasil que teoricamente “abraça a diversidade” encobre uma realidade constrangedora. Muitos no país são tão segregadores quanto sociedades onde impera o nacionalismo exacerbado. Será que realmente respeitamos as diferenças de opinião, raça, religião? Muitos só o fazem desde que “eles” fiquem do outro lado de seu mundo, no morro e em periferias paupérrimas. O único contato que querem com essas pessoas é quando delas necessitam para servi-los, fazendo faxinas em nossas casas ou algum outro trabalho não qualificado. Gostamos ainda mais deles quando se transformam em estrelas do futebol mundial ou nos encantem nos sambódromos. Essa é a visão de muitos, mas felizmente não de todos.

Por muito tempo mantivemos os olhos fechados para tudo isso. Precisamos de uma pandemia para começar a abri-los e olharmos para a situação de nossos irmãos. É tarde, mas talvez não seja tarde demais. Será que precisaremos repetir uma Revolução Francesa para mudarmos as relações entre as classes sociais? Chega de dizer que o bolo precisa crescer antes de ser dividido. As expressivas doações e os gastos emergenciais do governo provam que o bolo está pronto já há algum tempo esperando ser compartilhado por todos. E se não estiver pronto, que o assem rápido pois pessoas estão morrendo agora, e não apenas por causa da pandemia –elas vêm morrendo há muito tempo e nós temos nossos olhos e consciências fechados para isso.

Não se trata de um discurso de esquerda, mesmo porque tudo isso tem que ser resolvido com economias fortes e funcionais, e não apenas com iniciativas estatizantes. Trata-se, isto sim, da defesa de um capitalismo responsável, que visa o longo prazo e privilegia o ambiente do qual a própria corporação faz parte. Trata se de criarmos dentro de nós, privilegiados, um sentimento de revolta e não de conformismo com esta situação que se arrasta por tempo demais.

A mitigação da desigualdade é trabalho de todos, e a classe empresarial deve ter a grandeza de demonstrar que as mudanças induzidas pela pandemia vieram para ficar, mesmo quando o isolamento social pertencer apenas a um passado remoto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »
Back To Top
WhatsApp Falar com Paulo Zottolo!